Periódico galego de informaçom crítica

A Educaçom Social em luita

por

Como che­ga­mos a esta si­tu­a­çom? Um pouco de his­tó­ria

A Educaçom Social é umha ti­tu­la­çom que nasce na dé­cada de 90 como umha de­manda so­cial, nasce da ne­ces­si­dade dumha for­ma­çom es­pe­ci­a­li­zada à qual nom dava res­posta nen­gumha das ti­tu­la­çons exis­ten­tes. Na Galiza es­ta­mos pre­sen­tes nas três uni­ver­si­da­des, cada ano gra­duam-se cen­tos de edu­ca­do­res e edu­ca­do­ras so­ci­ais, já so­mos mais de 4.200 ti­tu­la­das na atu­a­li­dade.

A edu­ca­çom so­cial é umha pro­fis­som de ca­rá­ter pe­da­gó­gico que pro­cura a trans­for­ma­çom so­cial. Somos agen­tes de mu­dança. Acompanhamos os co­le­ti­vos, as pes­soas, nos seus pro­ces­sos de de­sen­vol­vi­mento so­cial e de pro­mo­çom cul­tu­ral. Somos es­pe­ci­a­lis­tas de in­ter­ven­çom so­ci­o­e­du­ca­tiva e ge­ra­mos os con­tex­tos edu­ca­ti­vos ne­ces­sá­rios para isso acon­te­cer. Trabalhamos nas di­fe­ren­tes si­tu­a­çons e eta­pas vi­tais com as pes­soas me­no­res, com as pes­soas e fa­mí­lias em risco ou si­tu­a­çom de ex­clu­som, com as pes­soas com di­ver­si­da­des, com as pes­soas ido­sas, no eido da saúde men­tal e adic­çons. Também tra­ba­lha­mos nas es­co­las e na co­mu­ni­dade em âm­bi­tos como a pre­ven­çom e a ani­ma­çom so­ci­o­cul­tu­ral.

A edu­ca­çom so­cial é umha pro­fis­som de ca­rá­ter pe­da­gó­gico que pro­cura a trans­for­ma­çom so­cial, so­mos agen­tes de mu­dança que com­pa­nha­mos as pes­soas nos seus pro­ces­sos de de­sen­vol­vi­mento so­cial e de pro­mo­çom cul­tu­ral.

Qual é o pro­blema?

A di­fe­rença de ou­tras pro­fis­sons, na Junta da Galiza nom exis­ti­mos, nom há umha es­pe­ci­a­li­dade pro­fis­si­o­nal pró­pria de “Educador/a so­cial”. Existe a es­pe­ci­a­li­dade de “Educador/a”, à qual po­dem ace­der ou­tras ti­tu­la­çons. O que su­pom isto para nós? Em pri­meiro lu­gar, nom está ga­ran­tido que os ser­vi­ços so­ci­o­e­du­ca­ti­vos se­jam pres­ta­dos por pro­fis­si­o­nais acre­di­ta­das, cousa fun­da­men­tal tendo em conta que es­ta­mos a fa­lar de ser­vi­ços pú­bli­cos que aten­dem pes­soas em si­tu­a­çom de vul­ne­ra­bi­li­dade. Em se­gundo lu­gar, des­preza-se a atual nor­ma­tiva uni­ver­si­tá­ria. Parece um en­gano ofer­tar umha ti­tu­la­çom uni­ver­si­tá­ria es­pe­ci­a­li­zada para a qual nom é ofer­tado um campo la­bo­ral pró­prio (ape­sar de ele exis­tir) e à qual se pode ace­der atra­vés de ou­tras ti­tu­la­çons que, por ou­tro lado, sim que te­nhem re­ser­vado o seu campo.

Parece um en­gano ofer­tar umha ti­tu­la­çom uni­ver­si­tá­ria es­pe­ci­a­li­zada para a qual nom é ofer­tado um campo la­bo­ral pró­prio (ape­sar de ele exis­tir) e à qual se pode ace­der atra­vés de ou­tras ti­tu­la­çons.

Isto dá lu­gar a umha si­tu­a­çom ana­cró­nica e dis­cri­mi­na­tó­ria, nom só com as pes­soas ti­tu­la­das se­nom ta­mém com a ci­da­da­nia, com as pes­soas usuá­rias dos ser­vi­ços pú­bli­cos que vem como nou­tras co­mu­ni­da­des au­tó­no­mas te­nhem ga­ran­tido o di­reito a se­rem aten­di­das por pro­fis­si­o­nais da edu­ca­çom so­cial, mas nom na Galiza.

Soluçons

A Lei de Emprego Público da Galiza am­para esta si­tu­a­çom. É ne­ces­sá­rio mo­di­fica-la para a es­pe­ci­a­li­dade “Educador/a” fi­car em si­tu­a­çom de ex­tin­çom, e que seja cri­ada a es­pe­ci­a­li­dade “Educador/a so­cial”, à qual se poda ace­der com a di­plo­ma­tura ou com o grau em Educaçom Social. No âm­bito pri­vado já se avan­çou mais do que no pú­blico. De facto, o III Convenio co­le­tivo de pro­te­çom e re­forma já in­clue esta mu­dança.

Pedimos o com­pro­misso do go­verno ga­lego e das for­ças sin­di­cais para re­sol­ver esta si­tu­a­çom ana­cró­nica, in­co­e­rente e in­justa. Porque nom é mu­dada a si­tu­a­çom? O pre­texto é a Lei de Emprego Público. Porque nom é mu­dada a Lei de Emprego Público? É umha ques­tom de von­tade po­lí­tica da Junta da Galiza. Está na sua mao. Nós, o co­le­tivo de pro­fis­si­o­nais da Educaçom Social, atra­vés do Colexio de Educadoras e Educadores Sociais de Galicia, se­gui­re­mos a rei­vin­di­car o que é justo para a pro­fis­som e para a ci­da­da­nia.

Qualquer pes­soa que apoiar esta rei­vin­di­ca­çom pode as­si­nar polo re­co­nhe­ci­mento da Educaçom Social na ini­ci­a­tiva cri­ada atra­vés da pla­ta­forma change.org, e aju­dar-nos par­ti­lhando o seu apoio nas re­des so­ci­ais com o hash­tag #SomosEducaciónSocial.

O último de Opiniom

Umha repressom invisível?

Existe em Direito Processual um prin­cí­pio fun­da­men­tal: o de pu­bli­ci­dade. Significa que

Na era pós-Prestige

Em 2002 pro­du­zia-se na Galiza, por oi­tava vez nas úl­ti­mas dé­ca­das, o
Ir Acima