Periódico galego de informaçom crítica

A religiosidade popular galega tem bem pouco de católica”

por

Numa terra que através do tempo conservou uma espiritualidade paralela radicalmente diferente do cristianismo oficial, tinha tarde ou cedo que surgir um movimento organizado que fosse diretamente à raiz. É assim que na Galiza de hoje existe a Irmandade Druídica Galaica. Falamos com Xoán Milésio, Durvate Mor da IDG, de diversos aspetos da druidaria galaica. Lamentavelmente, as limitações espaciais forçaram-nos a deixar fora certas questões que, com certeza, não encerram menos interesse do que o resto.

Como é que se co­meça a ar­ti­cu­lar a IDG?
Formalmente nasce no 2011, par­tindo du­mas con­di­ções an­te­ri­o­res onde se mis­tu­ra­vam con­vi­ções e cren­ças pes­so­ais com um re­no­vado de­bate so­bre o cel­tismo na nossa terra a raiz de no­vas in­ves­ti­ga­ções. Assim, surge tam­bém a ne­ces­si­dade de ca­na­li­zar um sen­ti­mento e or­ga­ni­zar as pes­soas que o par­ti­lham, quando me­nos ofe­re­cer-lhes um lu­gar de en­con­tro para con­ti­nu­ar­mos a apren­di­za­gem en­tre to­dos e to­das.
Esse sen­ti­mento era a evi­dên­cia de que, como nou­tros lu­ga­res da Europa, exis­tia na Callaecia uma forma pe­cu­liar de ver o mundo, a vida e a morte, uma sen­si­bi­li­dade, uma es­pi­ri­tu­a­li­dade na­tiva que como ele­mento an­tro­po­ló­gico ful­cral ne­ces­sa­ri­a­mente in­fluiu e in­flui todo o de­vir pos­te­rior.
Daí, len­ta­mente, a IDG foi ma­du­rando até a sua le­ga­li­za­ção como en­ti­dade re­li­gi­osa em 2015, onde to­mou sem ver­go­nha esse ad­je­tivo de “re­li­gi­oso” numa ten­ta­tiva de exem­pli­fi­car a se­ri­e­dade do pro­jeto ape­sar dos nos­sos muito hu­mil­des nú­me­ros e re­cur­sos.
Não es­que­ça­mos, seja dito, que o con­ceito atual de re­li­gião é uma mera cons­tru­ção oci­den­tal que co­meça no sé­culo XVII e acaba de to­mar forma só no sé­culo XIX no ras­tro do su­pre­ma­cismo cris­tão, mas é uma pa­la­vra que agora toda a gente per­cebe como algo mi­ni­ma­mente or­ga­ni­zado e com vo­ca­ção de con­ti­nui­dade, e or­ga­ni­ca­mente isso é o que é a IDG.

No vosso web, di­zeis que não ela­bo­rar­des re­cons­tru­ções ar­bi­trá­rias. Porém, res­sus­ci­tar, res­tau­rar ou re­cu­pe­rar uma re­li­gião au­tóc­tone (quase) de­sa­pa­re­cida não deve ser uma ta­refa sin­gela…
É certo que é muito com­pli­cado e há quem pense que é im­pos­sí­vel, ou até algo de alu­ci­na­dos. Contudo, a ver­dade é que ape­sar das in­for­ma­ções frag­men­ta­das e da com­ple­xi­dade in­trín­seca tam­bém não é certo que sai­ba­mos tanta pouca cousa.
Tem-se dito e feito muito desde o pri­meiro res­sur­gir da Druidaria há mais de 200 anos e afor­tu­na­da­mente con­ta­mos já com um im­por­tante corpo de es­tu­dos com­pa­ra­dos, que são fun­da­men­tais neste tipo de te­mas.
Digamos que é um tra­ba­lho a vá­rios ní­veis e pro­lon­gado no tempo. Começamos por uma aná­lise da nossa pró­pria tra­di­ção, en­tre es­tu­dos de an­tro­po­lo­gia, his­tó­ria, re­li­gi­o­si­dade po­pu­lar, etc, que de­pois po­de­mos con­tras­tar nos mes­mos ter­mos com o que sa­be­mos do nosso en­torno ge­o­grá­fico na­tu­ral, que não é ou­tro que a Europa Atlântica.
Pouco a pouco é fas­ci­nante des­co­brir como há cer­tos ele­men­tos bá­si­cos que en­cai­xam, desde uma de­ter­mi­nada ética a uma cos­mo­vi­são idên­tica. São como pe­ças dum puzzle do que to­dos te­mos umas pou­cas mas onde pre­ci­sa­mos pô-las em co­mum para ver­mos a ima­gem com­pleta.

Sempre foi dito que nos ter­ri­tó­rios her­dei­ros da an­tiga Galécia fi­cam mui­tos ves­tí­gios da an­tiga re­li­gi­o­si­dade pré-cristã, que fre­quen­te­mente so­fre­ram pro­ces­sos de sin­cre­ti­za­ção. Até que ponto os vos­sos cul­tos e for­mu­la­ções re­li­gi­o­sas be­bem des­tas fon­tes?
A re­li­gi­o­si­dade po­pu­lar “pseudo-ca­tó­lica” — pouco tem de ca­tó­lico o cha­mado ca­to­li­cismo ga­lego, mal que lhe pese a Martinho de Dume na sua tomba e aos seus her­dei­ros — fre­quen­te­mente co­di­fica cren­ças an­te­ri­o­res bem pouco cris­tãs. Isso é fac­tual e é um fe­nó­meno ha­bi­tual en­tre re­li­giões em con­tacto ou quando uma é im­posta so­bre ou­tra.
O as­sunto é que es­sas cren­ças po­dem ser fil­tra­das ten­tando es­ta­be­le­cer a sua ori­gem cro­no­ló­gica im­ple­men­tando, no­va­mente, uma com­pa­ra­tiva di­reta com ou­tros po­vos eu­ro­peus vi­zi­nhos. A in­for­ma­ção de­ri­vada é al­ta­mente es­cla­re­ce­dora e, lo­gi­ca­mente, de grande va­lor e uti­li­dade para nós.

O último de Contracapa

Ir Acima