Periódico galego de informaçom crítica

Botequim de inverno nos caminhos

por
carla trin­dade

Na nossa tra­di­çom far­ma­co­ló­gica – e es­tou fa­lar da nossa me­di­cina tra­di­ci­o­nal ba­se­ada, en­tre ou­tras mui­tas cou­sas, nos co­nhe­ci­men­tos so­bre er­vas com pro­pri­e­da­des cu­ra­ti­vas – al­gumhas pou­cas er­vas ti­nham o pres­tí­gio su­fi­ci­ente para me­re­cer ser se­ca­das nos fai­a­dos das ca­sas a aguar­dar pola en­fer­mi­dade. Quiçá nom fosse sim­ples­mente pres­tí­gio, quiçá res­pon­desse an­tes ao curto pe­ríodo de tempo em que es­tas er­vas es­ta­vam dis­po­ní­veis em óti­mas con­di­çons para ser con­su­mi­das. Afinal de con­tas, o sa­bu­gueiro flo­reia só na pri­ma­vera ou o mi­lho só tem a barba ruiva quando se apa­nham as pa­ta­cas, polo que com­pre es­tar­mos aten­tas e apro­vi­si­o­nar-nos de­las se que­re­mos, em março, aju­dar-nos das suas pro­pri­e­da­des para ti­rar esse mo­lesto ar­dor ao mi­jar, que nos co­lheu o frio na bar­riga. E se o mi­lho e o sa­bu­gueiro nos vam bem para as in­fe­çons das vias uri­ná­rias, nom há ra­zom para nom fa­zer esse pe­queno es­forço de apro­vi­si­o­na­mento, que se cor­res­ponde com umha men­ta­li­dade au­tó­noma, ma­dura e res­pon­sá­vel, justo a que me­nos in­te­ressa aos ven­de­do­res de an­ti­bió­ti­cos.
Mas este ar­tigo nom vem ser um re­pro­che para quem nom fi­zes­tes isto! Todo o con­trá­rio, cons­ci­ente de que o in­verno, o re­co­lhi­mento e a es­cu­ri­dom, som mo­men­tos pro­pí­cios para a al­qui­mia, vou apre­sen­tar umhas plan­ti­nhas que es­tám pre­sen­tes pra­ti­ca­mente em qual­quer mo­mento do ano no bo­te­quim de ur­gên­cias dos nos­sos ca­mi­nhos, pra­dos e mon­tes.

A chantagem, sete-costas, língua-de-boi ou língua-de-vaca,.. umha longa lista de nomes para o Plantago lanceolata (o das folhas alongadas) e o Plantago major (o das folhas arredondadas), que som autênticos cura-todo da natureza, especialmente lá onde precisemos dum remédio anti-inflamatório

A chan­ta­gem, sete-cos­tas, lín­gua-de-boi ou lín­gua-de-vaca,.. umha longa lista de no­mes para o Plantago lan­ce­o­lata (o das fo­lhas alon­ga­das) e o Plantago ma­jor (o das fo­lhas ar­re­don­da­das), que som au­tên­ti­cos cura-todo da na­tu­reza, es­pe­ci­al­mente lá onde pre­ci­se­mos dum re­mé­dio anti-in­fla­ma­tó­rio: Catarreiras, bron­qui­tes, tosse,.. qual­quer afe­çom das vias res­pi­ra­tó­rias, so­bre as quais atua como ex­pec­to­rante; ads­trin­gente ex­ce­lente, que se pode uti­li­zar por via ex­terna tanto em fe­ri­das, pi­ca­das, tor­ce­du­ras, va­ri­zes, he­mor­rói­des,.. como em gar­ga­re­jos para ali­viar in­fla­ma­çons da gar­ganta e da boca, di­ar­reia, como co­lí­rio para os olhos, etc.
Para ali­vi­ar­mos a nossa in­fe­çom de urina, po­de­ría­mos apro­vei­tar-nos das qua­li­da­des anti-in­fla­ma­tó­rias da chan­ta­gem, e so­mar-lhe as pro­pri­e­da­des da erva-dos-mu­ros, o rompe-pe­dras, Parietaria ju­daica, cujo nome in­dica o seu uso para ex­pul­sar os cál­cu­los re­nais e bi­li­a­res do corpo, mas tam­bém é diu­ré­tica, boa ali­ada num ca­tarro, como umha be­bida ótima para re­cu­pe­rar ao fí­gado de res­saca.
Nom fa­la­mos de ne­nhuma afe­çom de que nom be­ne­fi­ci­e­mos da sua prima, a erva-do-cego, a ur­tiga, Urtica di­oica, a planta com mais apli­ca­çons me­di­ci­nais das nos­sas la­ti­tu­des, tan­tas que nem co­lhem neste ar­tigo. E, por se esta nom a to­pa­mos, po­de­mos an­dar à pro­cura da or­tiga morta, o chu­cha-mel, Lamium ma­cu­la­tum, que se ainda nom flo­reou logo o há de fa­zer. Também boa amiga em ca­tar­rei­ras, pro­ble­mas di­ges­ti­vos…, as­sim como para as mens­tru­a­çons do­lo­ro­sas ou ir­re­gu­la­res.
E com qual­quer umha de­las po­de­mos fa­zer umha más­cara fa­cial ou um en­xa­guante ca­pi­lar, que som bons in­gre­di­en­tes cos­mé­ti­cos; como umha sopa ou um re­me­xido, que som bons co­mes­tí­veis. E nem com­pa­ra­çom com as er­vas mor­tas e en­sa­ca­das que nos ven­dem na er­va­ná­ria! para além de que, com es­tes ges­tos tam sim­ples, tal­vez co­me­ce­mos a sa­nar umha dor que vem de muito mais longe. Procurem e ex­pe­ri­men­tem!

O último de Cultura

Bomba!

A forma de improvisaçom cantada em verso mais conhecida na Galiza é

A feijoa de Feijó

Estamos can­sa­dos este ano de es­cu­tar o nome de Feijó, e o
Ir Acima