Periódico galego de informaçom crítica

Sentim-me como um objeto ao que lhe vam meter um chute”

por
as­so­ci­a­çom de pa­ci­en­tes do CHUS em con­versa com o Novas da Galiza | charo lo­pes

A pre­ca­ri­e­dade e o mal­trato no ser­viço de on­co­lo­gia do Complexo Hospitalário Universitário de Compostela (CHUS) mar­cou o tra­ta­mento de qui­mi­o­te­ra­pia de María Freire por mor dum can­cro de peito. María rei­vin­dica a hu­ma­ni­za­çom do es­paço e a do­ta­çom de re­cur­sos ma­te­ri­ais e pes­so­ais para que mais nin­guém te­nha que vi­ver um pro­cesso de cura como um cas­tigo. 

Durante ho­ras, María fica sen­tada numha ca­deira rí­gida numha sala sem luz na­tu­ral nem fon­tes de água. Aguarda o passo das ho­ras até que pro­nun­ciem o seu nome. Ás ve­zes es­pera duas ho­ras, ou­tras qua­tro. “Houvo quem che­gou às seis”, di.  Mira ao seu lado. Com o passo do tempo, o am­bi­ente vai-se car­re­gando até re­sul­tar “muito de­sa­gra­dá­vel”. Entre es­tas con­di­çons per­ma­nece na sala de aguarda do ser­viço de on­co­lo­gia do Complexo Hospitalário Universitário de Compostela onde re­cebe o seu tra­ta­mento de qui­mi­o­te­ra­pia. “O tra­ta­mento já é mui do­lo­roso e to­par-se o ser­viço nes­tas con­di­çons… afunde-te”. María Freire é umha das 30.120 do­en­tes que pas­sá­rom po­las ins­ta­la­çons on­co­ló­gi­cas deste hos­pi­tal en­tre o 2014 e 2015, se­gundo os da­dos fa­ci­li­ta­dos pola Associaçom de Pacientes do CHUS ao que per­tence. 

A es­pera co­meça desde o pri­meiro mo­mento em que umha pes­soa chega ao ser­viço. “Aguardas meia hora para a ana­lí­tica e ar­re­dor de duas ho­ras e meia para en­trar a con­sulta”. Aponta a que ul­ti­ma­mente es­tám a des­cen­tra­li­zar as ana­lí­ti­cas aos cen­tros de saúde mas con­si­dera esta “umha so­lu­çom par­cial”.  As co­las nom re­ma­tam aí. Na hora de acu­dir à far­má­cia, as do­en­tes aguar­dam num es­paço sem ja­ne­las. “A pro­fis­si­o­nal apa­rece e todo o mundo se acu­mula para dar-lhe o pa­pel e se te des­pis­taste, volta co­me­çar”. 

María Freire con­si­dera-se umha pes­soa au­tos­su­fi­ci­ente mas sem­pre pre­ci­sou umha acom­pa­nhante para acu­dir ao ser­viço de on­co­lo­gia. Primeiro, di, “se nom tés umha pes­soa que che sa­que psi­co­lo­gi­ca­mente de aí aca­bas cho­rando numha es­quina”. Mas tam­bém cum­pre ter umha acom­pa­nhante que poda, por exem­plo, vi­giar que nom se che passe o turno de con­sulta en­quanto fás cola na far­má­cia. 

Umha das razons da angustia que sentem as doentes é a carência de ajuda psicológica em todo o processo

Umha das ra­zons da an­gus­tia que sen­tem as do­en­tes topa-se tam­bém na ca­rên­cia de ajuda psi­co­ló­gica em todo o pro­cesso. Nom tés umha psi­có­loga com a que po­das di­ge­rir a má no­tí­cia nem com a que se­guir o teu pro­cesso de cura. “Se curo dum can­cro mas o pro­cesso cau­sou em mim umha do­ença psi­co­ló­gica é que nom houvo um bom tra­ta­mento”, as­si­nala María. Para ela, a so­lu­çom passa pola ime­di­ata hu­ma­ni­za­çom do sis­tema sa­ni­tá­rio. “Humanizar o es­paço, o trato… sen­tir que va­mos cu­rar e que nom vi­mos a ser cas­ti­ga­das” e com um gesto de raiva acres­centa “che­guei a sen­tir-me como um ob­jeto ao que lhe vam me­ter um chute”. Algo que, man­tém, nom de­ve­mos con­sen­tir como so­ci­e­dade. 

Precisamos de hu­ma­ni­dade”
As pro­fis­si­o­nais da saúde tam­bém so­frem as ca­rên­cias dum sis­tema cada vez mais pre­ca­ri­zado em re­cur­sos ma­te­ri­ais e hu­ma­nos. As con­di­çons nas que tra­ba­lham afe­tam à qua­li­dade do ser­viço e, nesta ló­gica, “se umha mé­dica está frus­trada nom vai po­der fa­zer bem o seu tra­ba­lho”. Tal e como está es­tru­tu­rado o ser­viço sa­ni­tá­rio, amiúde as pro­fis­si­o­nais te­nhem que fa­zer de psi­có­lo­gas. “E por ve­zes há umha pro­fis­si­o­nal que é mui boa on­có­loga mas mui má co­mu­ni­ca­dora” e isso fai-te bo­tar muito de me­nos a ne­ces­si­dade da hu­ma­ni­za­çom de todo o sis­tema sa­ni­tá­rio. “Semelha que o nosso sis­tema de saúde nom ad­mite que te­nha­mos sen­ti­men­tos e só quer en­go­lir-nos numha en­gre­na­gem”. Por isso, in­siste, em que as me­lho­ras som pos­sí­veis. “Achegar hu­ma­ni­dade é pos­sí­vel e é bom tanto para as tra­ba­lha­do­ras como para as do­en­tes”. 

as­so­ci­a­çom de pa­ci­en­tes do CHUS em con­versa com o Novas da Galiza | charo lo­pes

María insta a ca­mi­nhar cara a um sis­tema sa­ni­tá­rio mais hu­mano, pró­ximo e ba­se­ado no cui­dado das pes­soas. Na sua ca­beça guarda múl­ti­plas pro­pos­tas. “E se som as pro­fis­si­o­nais as que se ache­gam às pa­ci­en­tes e nom te­mos que ir nós como bo­las de té­nis de mesa?”, per­gunta-se ao mesmo tempo que la­menta o va­zio em que cai a ex­pe­ri­ên­cia de to­das as pes­soas que um dia fô­rom do­en­tes.   

 

 

 

Caminho da pri­va­ti­za­çom da sa­ni­dade
A Valedora do Povo e a ge­rên­cia do hos­pi­tal fe­cham a porta às de­man­das so­ci­ais com o mesmo gesto. O si­lên­cio é a res­posta das de­man­das re­a­li­za­das pola as­so­ci­a­çom de pa­ci­en­tes do CHUS so­bre a pre­ca­ri­e­dade do ser­viço de on­co­lo­gia do hos­pi­tal de dia do cen­tro clí­nico de Compostela.  “Pedimos que se re­du­zam as lis­tas de aguarda ou que as sa­las cum­pram com os stan­dards de qua­li­dade”; aponta o pre­si­dente da as­so­ci­a­çom Fernando Abraldes que cri­tica que quase um ano de­pois da de­manda as­si­nada por 28 do­en­tes “o re­sul­tado é a nada”.

O de on­co­lo­gia nom é o único ser­viço que se topa numhas con­di­çons pre­cá­rias no CHUS. María Freire conta, por exem­plo, como nunca lhe ofre­cê­rom ser­viço de fi­si­o­te­ra­pia após a ci­rur­gia que re­ce­beu a raiz do can­cro de mama. “Se nom fás fi­si­o­te­ra­pia a ci­ca­triz en­du­rece-se e isso doe muito”. 

“Só há 30 fisioterapeutas em toda a área sanitária pública de Compostela”, aponta Gloria Chousa


Só há 30 fi­si­o­te­ra­peu­tas em toda a área sa­ni­tá­ria pú­blica de Compostela”, aponta Gloria Chousa, que tam­bém forma parte da as­so­ci­a­çom.  “E só há umha pes­soa psi­có­loga para todo o hos­pi­tal!”, ex­clama. Gloria ex­plica como as ex­pe­ri­ên­cias som mui du­ras a ní­vel emo­ci­o­nal e la­menta que o sis­tema sa­ni­tá­rio se en­con­tre “nes­tas con­di­çons”.  “E logo pre­su­mem de lei de morte digna! Se nom som ca­pa­zes de fa­zer umha boa ges­tiom, que de­mi­tam!”. 

Fernando con­si­dera que a ges­tiom do CHUS fai águas por to­das par­tes. Coloca como exem­plo o ser­viço de ur­gên­cias onde só há umha am­bu­lân­cia nom me­di­ca­li­zada para le­var as pa­ci­en­tes ao seu do­mi­cí­lio nos fins de se­mana. “Tenhem que es­pe­rar até três e qua­tro ho­ras para vol­tar às suas vi­ven­das”, sus­tém. 

As três coin­ci­dem ao vin­cu­lar a má ges­tiom do CHUS com um sis­tema sa­ni­tá­rio ga­lego que con­ti­nua a usar as fa­mí­lias como re­curso, so­bre todo as mu­lhe­res. “É umha forma gra­tuita para o sis­tema pri­va­ti­zar a sa­ni­dade à custa de­las”, sus­tém Fernando, um dos crí­ti­cos de que nom exis­tam cen­tros só­cio-sa­ni­tá­rios onde po­dam per­ma­ne­cer as do­en­tes que pre­ci­sam de ajuda sa­ni­tá­ria nom ur­gente. “A fun­çom da sa­ni­dade é cu­rar e nom só fi­si­ca­mente se­nom tam­bém psi­co­lo­gi­ca­mente”, re­lata María que con­si­dera que o sis­tema sa­ni­tá­rio deve en­car­re­gar-se de “de­vol­ver à so­ci­e­dade a do­ente em con­di­çons dig­nas para rein­cor­po­rar-se à sua vida”. 

“Como nom vamos ter voz num sistema do que formamos a base?”

Como pa­ci­en­tes con­si­de­ram-se a peça fun­da­men­tal do sis­tema de saúde. “Sem pa­ci­en­tes a quem tra­tar, nom há pro­fis­si­o­nais”, apon­tam, “a nossa ex­pe­ri­ên­cia é ir­re­fu­tá­vel e por isso nom que­rem que exis­ta­mos”. O ser­viço de aten­çom às pa­ci­en­tes topa-se re­du­zido a um apli­ca­çom te­le­má­tica para que “ape­nas haja con­tacto com as pes­soas”. Nom so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas das ci­da­da­nia que se topa en­ferma é um in­cen­tivo para a sa­ni­dade pri­vada, cri­tica Fernando Abraldes que tam­bém con­si­dera que o atual sis­tema sa­ni­tá­rio fo­menta que as do­en­tes “pro­cu­rem me­lho­ras pola porta de atrás fa­vo­re­cendo o ca­ci­quismo sa­ni­tá­rio”. Para tra­ba­lhar na me­lhora do sis­tema de saúde, “cum­pre con­tar com a voz das do­en­tes”. Por isso, pi­dem que as­so­ci­a­çons de pa­ci­en­tes como a que ele pre­side po­dam for­mar parte dos ór­gãos de con­trolo da ges­tiom sa­ni­tá­ria. “Como nom va­mos ter voz num sis­tema do que for­ma­mos a base?” 

O último de Direitos

Arredor do bom morrer

O parlamento espanhol iniciou os trámites para a despenalizaçom da eutanásia, mas
Ir Acima